CTAlmada
HOME
Produções Estrangeiras
Produções Portuguesas
Exposições
Colóquios
Actos complementares
Música

NA SOLIDÃO DOS CAMPOS DE ALGODÃO
de Bernard-Marie Koltès | TEATRO
em co-apresentação com a Culturgest

COMPAGNIE DU TOURNESOL
ENCENAÇÃO DE PHILIP BOULAY
FRANÇA

CRIAÇÃO NO FESTIVAL
EM CO-PRODUÇÃO COM CULTURGEST, FESTIVAL DE ALMADA, CENTRO CULTURAL FRANCO-MOÇAMBICANO (MAPUTO), COM A PARTICIPAÇÃO DO FORUM, SCÈNECONVENTIONNÉE DE BLANC-MESNIL E DO SERVIÇO CULTURAL DA EMBAIXADA DE FRANÇA EM MOÇAMBIQUE

PRODUÇÕES ESTRANGEIRAS


NA SOLIDÃO DOS CAMPOS DE ALGODÃO
NA SOLIDÃO DOS CAMPOS DE ALGODÃO

Voltar atrás...


O projecto de voltar a trabalhar A Solidão, desta vez em versão portuguesa, prende-se com este percurso em comum com o texto ao longo do tempo e com os dois actores lusófonos que são Victor de Oliveira e Diogo Dória. As minhas idas e vindas a África também contaram. Koltès revela de forma perturbante algumas realidades urbanas africanas. De modo que iremos também explorar as ressonâncias e deflagrações de senti-do da língua koltesiana em Moçambique (representações em Maputo e na Beira): provavelmente, algumas palavras do Dealer, sejam elas ditas em Lisboa ou na antiga colónia portuguesa - e claro, ou mesmo sobretudo, as respostas do Cliente – serão ouvidas em toda a sua dimensão de uma troca (ou de um desejo) Norte / Sul. A menos que se trate do contrário: uma linha Sul / Norte que não seja forçosamente a do arame farpado como em Mellila ou Ceuta.
Philip Boulay

PHILIP BOULAY
Philip Boulay fez em 1995 a sua primeira encenação, com 27 anos. Montou textos de António Tabucchi, Molière, Elsa Solal, Mishima, Marivaux e Musset. Trabalhou em teatros como o Athénée / Louis Jouvet, Ferme du Buisson, Théâtre Gérard Philippe, Théâtre de Gennevilliers, Forum / Banc-Mesnil, e em países como a Finlândia, Chile, Roménia, Gabão, Camarões, Angola, Congo, Espanha, Turquia e Alemanha. De Koltès encenou ainda Tabataba, apresentado primeiro nos subúrbios de Kinshasa (2003) e depois em Seine Saint-Denis (2005), e Roberto Zucco, em 2004, também em Kinshasa, com uma equipa artística congolesa.

Intérpretes Diogo Dória e Victor de Oliveira
Tradução Nuno Júdice
Cenografia Jean-Christophe Lanquetin
Luzes Stéphane Loirat com a colaboração de Quito Timbe
Responsável pela produção Jean-Christophe Boissonnade


21h30 Terça 11
21h30 Quarta 12
21h30 Quinta 13
21h30 Sexta 14
21h30 Sábado 15
17h00 Domingo 16


Língua português
Duração 1h30





BILHETEIRA

Imprimir   Imprimir