HOME
Produções Estrangeiras
Produções Portuguesas
Exposições
Colóquios
Actos complementares
Música

EN UN LUGAR DE MANHATTAN
de Albert Boadella | TEATRO
em co-apresentação com o Teatro Nacional D. Maria II

EM CO-PRODUÇÃO COM COMUNIDAD DE MADRID

ELS JOGLARS
ENCENAÇÃO DE ALBERT BOADELLA
ESPANHA

PRODUÇÕES ESTRANGEIRAS


EN UN LUGAR DE MANHATTAN
EN UN LUGAR DE MANHATTAN

EN UN LUGAR DE MANHATTAN
EN UN LUGAR DE MANHATTAN

EN UN LUGAR DE MANHATTAN
EN UN LUGAR DE MANHATTAN

Voltar atrás...


En un lugar de Manhattan centra-se no jogo entre a ficção e a realidade, e desenvolve-se em dois planos que se vão inter-relacionando.
Por um lado, a montagem de uma obra de teatro ultra-moderna e vanguardista, da qual se chegam a ver representadas algumas sequências. E por outro lado a chegada de um par de personagens peculiares e estranhas, que têm pouco que ver com os ensaios e a forma com que os actores representam com elas para fugir ao cansaço criativo em que se encontram.

Quando se procuram restos da irradiação quixotesca na nossa sociedade contemporânea, é assombroso constatar que não resta um único vestígio desse passado. Por mais que nos esforcemos a esquadrinhar as suas ruínas, depressa chegaremos à conclusão de que em muito poucas décadas desapareceram as marcas de algo que em Espanha havia perdurado durante séculos. Para mais, se actualmente alguém tentar levar a cabo actividades imitadoras de tal tessitura moral, ou é automaticamente marginalizado, ou corre o risco de ser tomado como um doente mental. Aquela herança estilística e ética, mescla de ideais góticos e de cavalaria cristã, não só deixou de ter vigência, como também já não é possível captar nenhuma analogia com o que nos rodeia.
Ante a impossibilidade de estabelecer paralelismos contemporâneos, e afastados da ideia de tentar recriar no palco a obra de arte literária, abordámos o Quixote reflectindo precisamente sobre o fracasso grotesco desta quimera. Brincando com o ridículo de qualquer pretensão “modernizadora” do mito literário, a obra incide também na incapacidade actual para reconhecer as virtudes de um suposto Quixote no actual contexto em que vivemos.
Albert Boadella

Intérpretes Xavier Boada, Xavi Sais, Dolors Tuneu, Jesus Agelet, Minnie Marx, Francesc Pérez, Pilar Sáenz, Ramon Fontseré e Pep Vila
Assistentes de encenação Joan Roura e Gerard Guix
Cenário Anna Alcubierre
Figurinos Dolors Caminal
Iluminação Cesc Barrachina
Som Guillermo Mugular
Direcção técnica e realização cenográfica Jordi Costa
Produção executiva Josep M. Fontseré
Assessor literárioRafael Ramos
Coreografias Bebeto Cidra e Jordi Basora
Técnico de palco Jesus Díaz-Pavón


21h30 Domingo 16
21h30 Segunda 17
21h30 Terça 18


Língua castelhano
Duração 2h05


(Num Lugar de Manhattan)


BILHETEIRA