ET SI ON S’Y METTAIT TOUS ! L’ART DE FAIRE DE LA VÉRITÉ UNE ARME MANIABLE | <i>E se nos metêssemos ao barulho?! A arte de fazer da verdade uma arma manejável</i>

Este ano, a pedido do público, uma mercearia ambulante põe--se novamente em marcha desde Dijon, atestada com o mais corrosivo dos combustíveis e trazendo quilos de mor-dacidade e de “verdade” na bagagem, para estacionar, com grande aparato, no Pátio Prior do Crato. Neste espaço de comentário político e económico em que se transforma o balcão da mercearia ambulante, não há margem para rodeios, senhores de gravata ou palavras difíceis. O tempo de antena pertence à infinita indignação perante a ditadura dos mercados, das agências de notação financeira, dos bancos e fundos monetários.

Jean-Louis Hourdin, actor e encenador, trabalhou com encenadores como Jean-Pierre Vincent, Jean Jourdheuil e Peter Brook. Em 1976 funda o Grupo de Acção Teatral e, em 2004, a Casa Jacques Copeau, um espaço de formação teatral.

François Chattot, antigo director do Théâtre Dijon Bourgogne, já se apresentou no Festival de Almada dirigido por Luc Bondy (À espera de Godot, 2000), Jacques Nichet (Combate de negro e de cães, 2003) e Mathias Langhoff (Cabaret Hamlet, 2010).

Christian Jehanin, actor, encenador e professor, formou-se no Conservatório de Rennes e no TNS, tendo fundado a Companhia Eclipse em 1977. Entre 1988 e 2005, em Juvisy-sur-Orge, montou textos de Marivaux, Shakespeare, Brecht, entre outros.

Martine Schambacher, actriz também formada no TNS, trabalhou no Théâtre de Carouge, e foi dirigida por encenadores como Jean-Paul Wenzel, Jean-Pierre Vincent, Jacques Nichet, Mathias Langhoff e Bruno Boëglin, entre outros.

_____________________________________________

ENGLISH VERSION

Voted by the audience of the Festival as the best show in the 2013 edition, Et si on s’y mettait tous! combines works of Brecht, Shakespeare, Artaud and Fo, resulting in a hilarious – but thought-provoking – critique of the world’s financial mores. François Chattot and friends will park their trailer in old-town Almada and bring this year’s audiences plenty of food for thought.



Grat – Jean-Louis Hourdin | Service Public Théâtre Dijon Bourgogne – CDN