OTHELLO, VARIATION POUR TROIS ACTEURS<br/><i>Othello, variação para três actores</i>
Othello, variação para três actores estreou em 2014 no Festival d’Avignon. O Le monde viu nesta peça um “Othello genial”, “uma pequena maravilha” cuja principal virtude será porventura conseguir adaptar um dos textos mais emblemáticos de Shakespeare para uma arena onde só cabem 113 espectadores e três actores. A modernidade tem sido profícua em produzir logros que se escudam no nome do bardo inglês para se legitimarem, mas o que está em causa nesta adaptação de Othello é outra coisa. Em momento algum se deixa de ter a perfeita noção de que se está no teatro, mas não é por isso que os actores sentem necessidade de renunciar à representação. São três, os intérpretes, mas as personagens estão lá (quase) todas, numa demonstração de virtuosismo aliado à capacidade que o teatro tem de subverter e recriar as leis da vida.

A Compagnie du Zieu encontra-se instalada na província francesa da Picardia desde 2006, sendo co-dirigida pela encenadora Nathalie Garraud e pelo autor e filósofo Olivier Saccomano. O grupo tem articulado, na sua actividade, a escrita, a prática teatral e a pesquisa teórica – prática essa que tem definido aquilo a que chamam “uma política de actores”. Paralelamente, mantêm diversos projectos de cooperação com o estrangeiro.
_____________________________________________

ENGLISH VERSION

Inside an arena for 113 spectators and 3 actors, this “variation for three actors” of Othello isn’t just an experimental work whose main motivation was the lack of funds for a big cast. This Othello, a “small marvellous play” as Le monde called it, is an hymn to theatre and to its capacity to recreate the rules of life.



Compagnie du Zieu

Apoio: Institut Français du Portugal